5 Sinais de um Relacionamento Sagrado
29 de abril de 2015

O Perdão

Quando falamos em perdão, algumas pessoas imediatamente reagem dizendo “nunca, você está louco, perdoar tudo que ele fez? Jamais”.  Essas pessoas pensam que perdoar é aceitar ou ser conivente com os abusos e manipulações dos outros. Pensar dessa forma fecha todas as portas para o perdão.

Então Perdoar Não é aprovar, aceitar comportamentos inadequados tanto seus como dos outros. Não podemos aceitar abuso, violência, traição, desonestidade, agressão. Você deve tomar uma ação firme para impedir esses comportamentos, como por exemplo, romper com o relacionamento definitivamente. Perdoar não é fazer de conta que esta tudo bem quando não está.

Perdoar também não é ter uma atitude de superioridade julgando que é melhor do que os outros. Tudo bem, eu perdoo você. Não esperava mesmo que você ia conseguir!

Perdoar não significa que você vá fazer algo que não queira, como por exemplo, perdoar um amigo por algo que ele fez. Mas, não significa que você queira continuar a amizade. Você pode perdoar seu pai, mas não significa que queira se abrir com ele.

Perdoar não quer dizer que você terá que falar com a outra pessoa. Não precisa dizer isso para ela, embora com algumas isso pode ser interessante. Mas você pode perdoar qualquer pessoa, inclusive aquelas que já morreram. Perdoar é só uma mudança de percepção, e uma outra forma de ver as situações e as pessoas.

Então o que é o Perdão? Bem ele pode ser várias coisas, O perdão é uma decisão, o perdão é uma atitude, é um processo, um modo de vida. É algo que oferecemos e é algo que aceitamos.

Como disse Dr. Gerald Jampolsky, perdoar é “ver a luz ao invés do abajur”. É ver o medo por trás de um comportamento agressivo de uma pessoa. Estamos habituados a ver uma pessoa como estupida e agressiva, ao invés de oprimida e assustada.

Como ensina Robin Casarjian, “ver toda raiva, hostilidade, como um pedido de reconhecimento, respeito e amor”. Isso é muito poderoso.

Tem também o outro lado da moeda, que não somos nem agressores nem vítimas. Como qualquer par de opostos há os dois lados da moeda. Há uma ideia budista de que o sofrimento existe para nos ensinar a compaixão. Está é uma ideia para que nos possamos nos perdoar pelos danos que causamos nos outros, e perdoá-los pelos danos que nos causaram. Somos todos alunos e professores.

E se você não estiver pronto para perdoar? Aceite e respeite. Respeite seu momento, seja gentil com você mesmo. Às vezes leva algum tempo para integrar um novo entendimento. Seja paciente e se perdoe por isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1
Olá, como podemos te ajudar?
Powered by